Gastronomia e música em Diamantina

Por:Turismo de Minas

30

jul 2019

Acabamos de chegar de Diamantina e estamos impressionados com a cena gastronômica e musical da cidade! 

Você sabia que lá tem produção de vinho? E de cerveja? E de queijo? De 18 a 20/7 rolou o 2º Festival Artesanal de Diamantina: Cervejas – Queijos – Vinhos, que evidencia os produtos locais.

Foram 4 vinícolas, 8 cervejarias e 6 queijarias, além de shows e workshops. Participamos de uma harmonização comandada pelo jornalista gastronômico Eduardo Girão, e de um workshop liderado pelo Leo Nascimento, da Cervejaria Dos Caras.

Outra questão que chamou nossa atenção foi a musicalidade da cidade. Ficamos lá de quinta a domingo e pudemos ver o Concerto no Órgão Histórico, a Seresta e a Vesperata.

São eventos lindos, que deixam os turistas encantados com Diamantina, pois compõem a cena cultural da cidade e transportam os visitantes para o passado!

 

Confira abaixo nosso roteiro de um fim de semana em Diamantina! 

 

CERVEJAS

Nós visitamos as fábricas das cervejarias Diamantina e Capistrana, ambas fundadas em 2014, em Diamantina!

A Cervejaria Diamantina produz cinco estilos: Pilsen, Weiss, Ipa, Blonde Ale, Red Ale e Stout.

E a Cervejaria Capistrana fabrica cinco tipos: Pilsner, Weiss, Pale Ale, Red Ale e Ipa.

Os chopes e cervejas da Diamantina e da Capistrana podem ser encontrados nos principais bares e restaurantes da cidade histórica. As garrafas de 600ml custam a partir de R$15.

As fábricas são abertas para visitação, que devem ser agendadas no Centro de Atendimento ao Turista ou diretamente com as cervejarias!

QUEIJOS

O mineiro e o queijo é um caso de amor, que vem de longa data. A maioria dos queijos produzidos em Minas Gerais eram frescos, mas de uns anos pra cá os produtores começaram a maturar o queijo, o que na nossa opinião deixa ele ainda mais gostoso!

Queijos da Canastra e do Serro já são bem conhecidos em todo o Brasil. Mas em todo o estado tem muita gente fazendo queijo bom.

É o caso da região de Diamantina, que já tem até uma associação com 15 produtores, de oito municípios: Diamantina, Gouvea, Datas, Couto Magalhães de Minas, Felicio dos Santos, São Gonçalo do Rio Preto, Senador Modestino Gonçalves e Monjolos.

Nós visitamos duas queijarias: a Queijo Braúnas e a Queijaria Soberana, ambas em Diamantina.

Na Braúnas, Ewerton Abaeté contou que seu pai, Juca Abaete, sempre produziu queijo para consumo próprio, e que há um ano e meio ele começou a maturar o queijo.

Sorte nossa, porque o queijo ficou delicioso! Tanto que ganhou a medalha de ouro no Prêmio Queijo Brasil, em 2018, em São Paulo!

Lá na Queijaria Soberana, o Leandro de Assis, começou a produzir queijo ano passado. Agora está terminando a construção do galpão onde as vaquinhas holandesas serão criadas no sistema americano compost barns, e a queijaria, que terá capacidade para mil queijos por mês.

VINHOS

Você sabia que em Diamantina tem 12 vinícolas? E que a região foi uma das primeiras produtoras de vinho do Brasil, com registros de 1816? Pois é, também ficamos surpresos com essas informações!

Inicialmente os vinhos eram feitos para abastecer o clero durante as celebrações, mas o foco agora são os turistas!

Em 2003, o João Francisco Meira decidiu resgatar essa história e criou a vinícola Quinta d’Alva.

Ele planta 15 variedades de uvas e produz vinhos de excelente qualidade, como o Sauvignon Blanc, que degustamos!

Visitamos também a vinícola Quinta Campo Alegre, fundada em 2011, e com boa estrutura pera receber turistas.

Passeamos pelo parreiral enquanto a família (Patricia, Felipe e Ana Paula) nos contava a história do lugar, vimos todo o processo de produção e depois degustamos um Syrah delicioso!

Você também pode ter essa experiência. É só fazer o agendamento prévio diretamente com as vinícolas ou no Centro de Atendimento ao Turista!

 

Leia também nosso guia completo sobre Diamantina!

 

CONCERTO NO ÓRGÃO HISTÓRICO

Sexta à noite assistimos ao Concerto do Órgão Histórico da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Diamantina, e amamos!

O órgão de 1787 é o mais antigo construído no Brasil, e tem 549 flautas, que emitem um som único!

O diamantinense Evandro Archanjo é o organista residente, que faz a manutenção do instrumento e a apresentação dos concertos.

 Nós já tivemos a oportunidade de assistir aos três concertos que existem em Minas Gerais: Mariana, Tiradentes e Diamantina, e super recomendamos o programa!

Em Diamantina os concertos acontecem toda sexta, que antecede a Vesperata, às 20h, e custa R$30.

SERESTA

Logo após o Concerto do Órgão Histórico, às 21 horas, acontece a Seresta. E que momento é esse minha gente? Coisa mais emocionante poder participar!

Cerca de 10 músicos do Grupo de Seresta Regina Pacis, tocando saxofone, violão, pandeiro, trompete e trombone, e cantando clássicos da música brasileira, saem caminhando pelas ruas da cidade, arrastando turistas e moradores.

O percurso vai da Igreja de Nossa Senhora do Carmo até a Praça JK, onde fazem uma homenagem ao ex-presidente da república, que já fez muitas serenatas por Diamantina.

VESPERATA

A Vesperata, em Diamantina, é uma das coisas mais lindas que já vimos na vida. Todo mundo deveria viver essa experiência! (nós já fomos quatro vezes)

É uma sensação indescritível estar ali na Rua da Quitanda vendo e ouvindo os músicos da banda do 3º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais e da banda Mirim Prefeito Antônio de Carvalho Cruz tocando nas sacadas dos casarões históricos.

Uma energia tão boa toma conta da gente e todo mundo canta e dança junto, ao compasso do maestro. No repertório clássicos como Paisagem da Janela e atuais como Despacito, além de solos de saxofone e guitarra, levam o público ao delírio!

A Vesperata acontece anualmente, de abril a outubro. As próximas apresentações serão dias 3, 17 e 31 de agosto; 14 e 28 de setembro; e 05 e 19 de outubro. Não perca essa oportunidade!

 

Assista ao vídeo que gravamos em Diamantina

 

BIRIBIRI

Há 8 km de distância de Diamantina, a pacata Vila Biribiri foi construída no século XIX para abrigar os funcionários da Companhia Industrial de Estamparia.

Hoje, tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), tem cerca de 30 casas e uma igrejinha colonial.

Próximo a ela, está o Parque Estadual do Biriri, onde há várias nascentes e cursos d´água que formam cachoeiras gostosas, como a da Sentinela, para tomar banho entre a vegetação do cerrado, campos rupestres e matas de galeria.

Nós passamos uma tarde lá e pudemos desfrutar da tranquilidade do lugar. Casais, amigos e famílias se esparramavam pelo enorme gramado para curtir o solzinho.

Restaurantes com mesas ao ar livre, lojinhas de artesanato e a Igreja do Sagrado Coração de Jesus completavam o cenário parecido saído de um filme de época!

RESTAURANTES

Trazemos aqui dicas dos restaurantes que almoçamos e jantamos durante nossa viagem para Diamantina.

O Garimpeiro

O restaurante O Garimpeiro fica na Pousada do Garimpo e é comandado pelo chef Vandeca há 31 anos. Jantamos lá uma noite e comemos o tradicional prato da casa, Bambá do Garimpo: feijão batido, costelinha de porco, couve picada, arroz e angu (R$84 e serve 3 pessoas). De sobremesa não deixe de provar o delicioso Doce de leite na casquinha de limão.

Deguste

O Deguste fica no icônico Beco do Mota, tem mesinhas ao ar livre e música ao vivo. Fomos jantar lá um dia e adoramos o Parpadelle com Camarões ao Molho du Chef (R$42 e serve 1 pessoas). O suco de laranja com morango também é uma delícia! 

Catedral Pub

O Catedral Pub é um restaurante todo descolado, especializado em cervejas artesanais. Lá comemos um saboroso Bife Ancho com Batata Assada e Roquefort (R$56 e serve 1 pessoas), que deixou saudade, acompanhado de um delicioso chope IPA da cervejaria Capistrana. 

Apocalipse

O Apocalipse fica ao lado do Mercado Velho e é uma ótima opção para almoço. Com self-service gourmet, o restaurante vai da clássica comida mineira aos frutos do mar (R$69 o quilo). Almoçamos lá três dias e tudo estava delicioso, com destaque para a tilápia gralhada na hora.

 

POUSADA

Nos hospedamos na Pousada do Garimpo, que é uma das mais tradicionais da cidade. Ela fica num lindo casarão colonial e o café da manhã é delicioso. 

Se você também quer se hospedar lá é só clicar neste link para consultar datas e valores!

 

*Os jornalistas viajaram à convite do Festival Artesanal de Diamantina, com o apoio da Prefeitura e do Sebrae

Compartilhe:

Relacionados

Comentários

  1. Leandro Assis disse:

    Excelente matéria! Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Av. Contorno - n°3979 - Santa Efigênia - BH - MG

(31) 3333-3333

contato@digitalpixel.com.br

Seg á Sex de 09hrs á 18hrs